A VIDA SEXUAL DO BRASILEIRO
Pesquisa revela que brasileiros estão insatisfeitos! A Durex Global Sex Survey analisou entrevistas com 1004 homens e mulheres no país, com idades entre 18 e 65 anos, sendo do total 880 heterossexuais. O resultado foi divulgado em vários meios de comunicação no início deste ano. E a maioria (89%) dos participantes estava em união estável no momento da pesquisa. O estudo revelou que metade, ou 51%, dos brasileiros está insatisfeita com sua vida sexual. Sendo que 62% dos homens relatam dificuldades em manter a ereção, e apenas 22% das mulheres conseguem chegar ao orgasmo sempre que tem relações sexuais. As consequências da falta de diálogo entre os parceiros em relação a preferências e dificuldades ficam claras nos resultados da pesquisa: as pessoas dedicam pouco tempo às preliminares (40% dos entrevistados dedicam no máximo 15 minutos para isso), têm relações muito rápidas (13% finaliza o ato em no máximo 5 minutos) e as mulheres apresentam dificuldade para ter orgasmo, principalmente as mais novas. A BUSCA DA SATISFAÇÃO... O principal erro que o casal comete e que prejudica a sexualidade de ambos é a falta de diálogo sobre sexo. É necessário expor o que cada um gosta ou não, suas preferências e necessidade de inovações e suas dificuldades. Revelar ao companheiro (a) quando não sente orgasmo, quando sente dor ou desconforto, e se não tem vontade de fazer sexo no momento, evitando a prática sexual somente para agradar o outro. A mulher e o homem precisam ter o autoconhecimento individual e conhecimento do corpo do outro. As mulheres não conhecem sua intimidade e como obter prazer de forma adequada e sozinhas, limitando desta forma o diálogo e esclarecimento de suas preferências, prejudicando a obtenção do prazer com o companheiro. Já os homens tem maior dificuldade no conhecimento do corpo da sua companheira, iniciam a atividade sexual com pouca ou inadequada estimulação durante as preliminares, não favorecendo a excitação adequada da mulher para obter prazer, e deste modo manter seu desejo sexual. Ter conhecimento das atividades sexuais favorece uma vida sexual saudável e feliz. Há muitos tabus que prejudicam a vida sexual do casal brasileiro, são: 1- Acreditar que a obtenção do sucesso sexual é que o casal tenha orgasmo junto; 2- A mulher que faz sexo anal para agradar o companheiro evita a infidelidade; 3- Ao usar um vibrador em forma de pênis a mulher estará traindo o companheiro; 4- Para fazer sexo anal é importante fazer higiene interna; 5- Se eu introduzir atitudes novas e criativas na relação sexual o outro pode achar que estou aprendendo fora da relação; 6- Recusar a fazer algo que ele (a) quer no sexo serei abondonada (o), ou haverá a traição; 7- Falhar na ereção não é permitido para um homem; 8- Se meu companheiro (a) não ter orgasmo eu sou ruim de cama; 9- A mulher precisa fingir orgasmo para manter uma relação sexual saudável, é seu papel na relação. Os brasileiros, de um modo geral, tem vergonha de entrar em lojas de sex shop e de comprar produtos sensuais. Muitas pessoas ainda sentem-se inibidas com estes produtos, e falar em sexo abertamente ainda é motivo de preconceito. Infelizmente ainda há grande desconhecimento da população em relação aos benefícios de produtos para a melhora do prazer e da intimidade do casal, assim como a contribuição destes para a melhora da saúde sexual. DICA: Atividade para o casal. Trocar massagem, toques e beijos um no corpo do outro, sendo que o objetivo é sentir as sensações, o desejo, o carinho, o toque e a aproximidade um do outro. Um faz primeiro e o outro após, sendo que esta troca deve ser realizada em até 3 dias. Neste momento o ideal não é focar a penetração, por isso recomendo usar roupa íntima, assim haverá maior cumplicidade e concentração de ambas as partes. Recomendo assistir o filme que aborda o tema: O prazer é todo meu. Você encotra a pesquisa no link: http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2014/01/21/metade-dos-brasileiros-esta-insatisfeita-com-sua-vida-sexual-diz-pesquisa.htm#fotoNav=1 Fabiane Dell` Antônio Fisioterapeuta, Palestrante e Consultora * Mestrado em Ciências da Saúde Humana – UnC / SC * Especialização em Neuropsicologia e Aprendizado – PUC / PR * Especialização em Fisioterapia em Uroginecologia – CBES / PR * Especialização em Sexualidade Humana – USP / SP
DEIXE SEU COMENTÁRIO