Hot Flowers
side-area-logo

DICAS SOBRE SEXO

Tire todas as suas dúvidas sobre a sua sexualidade
Dicas sobre Sexo
Os brasileiros estão realizando poucas preliminares durante a relação sexual. Isso pode causar estímulos sexuais insatisfatórios para homens e mulheres, com diminuição de momentos íntimos à dois, onde à longo prazo pode causar danos na vida sexual do casal. Entre muitos casais há pouco contato físico, beijos e toques. O foco erroneamente é a penetração!!! Nos dias atuais os casais estão com dificuldade em ter tempo para namorar, manter a intimidade e dialogar sobre a vida sexual individual e do casal. A prática sexual de forma rápida e com pouco envolvimento, famosa "rapidinha", está tornando-se uma prática constante. As consequências da vida sexual monótona Mulheres e homens precisam ser estimulados sexualmente de forma prazerosa pelo seu parceiro (a) durante as preliminares. O prazer sexual favorece a intimidade entre o casal e esta propicia a satisfação e felicidade. O desejo ocorre pelo que é prazeroso, e quanto mais felizes somos sexualmente maior a motivação para o ato sexual e a intimidade. Em contrapartida, se houver insatisfação e monotonia na vida sexual haverá distanciamento íntimo e afetivo entre o casal, com ausência ou diminuição do desejo sexual. Nesta ausência de estímulos e preliminares encontram-se casais insatisfeitos um com o outro e consigo, onde não há diálogo e motivação para atitudes criativas e inovadoras para melhorar a sexualidade do casal. O que fazer? O casal precisa iniciar o diálogo sobre a vida sexual, ter atitudes e iniciativas favoráveis ao prazer de ambos, com aumento do tempo para as preliminares. Estas devem ser realizadas de forma que proporcionam prazer e excitação, com envolvimento físico e emocional. Recomendo para o casal ter um período fixo na semana reservado para os dois, onde neste é importante a presença de toques, beijos e diálogos. Devem iniciar o toque um no corpo do outro para aprender os pontos erógenos de cada um. Realizar massagem com toques suaves, beijos e carinhos, sem pressa e com envolvimento total durante esta intimidade. Usar produtos de sex shop auxilia muito o prazer individual e do casal, respeitando o consentimento do outro.
Em julho deste ano foi divulgado pesquisas realizadas pela Time Out e Universidade de Kansas sobre o orgasmo masculino, e o resultado foi que em média 30% dos homens americanos fingem orgasmo. Porque eles fingem? Acredita-se erroneamente que os homens estão sempre dispostos para fazer sexo, que não precisam receber carinho e estímulos sexuais prazerosos, e que devem fazer sexo quando a mulher deseja, assim são machos! O Dr. Abraham Morgentaler, professor de urologia de Harvard, afirma que alguns homens podem se sentir "obrigados" a realizar o ato sexual, mesmo quando não estão com vontade. Outros fingem que tiveram orgasmo como um modo de expressar amor, gentileza e respeito pela parceira, assim elas não irão sentir-se incapazes de proporcionar prazer à eles. Há outros motivos que contribuem para este fingimento, como quando o homem demora para ejacular ou não o faz, tem disfunção de ereção, está indisposto fisicamente ou emocionalmente e sente que não vai gozar. Neste momento é mais fácil a mulher não perceber quando ele usa camisinha. Fingir com frequência prejudica a sexualidade do casal Fingir uma vez ou outra pode até ser saudável para o casal, principalmente quando o motivo é algo passageiro. Mas fingir com frequência irá ocasionar insatisfação pessoal e no relacionamento. A ausência de prazer promove em homens e mulheres diminuição do desejo e da vontade de estimular sexualmente o parceiro (a), onde altera a afetividade e intimidade do casal. Como melhorar e parar de fingir O sexo deve ser realizado quando ambos estão dispostos fisicamente e emocionalmente para esta prática, sem cobranças. Homens e mulheres devem ser estimulados prazerosamente nas preliminares, assim irá facilitar o desejo, lubrificação/ejaculação e orgasmo. O casal deve conhecer o corpo do outro e saber como proporcionar prazer para sim próprio e para o seu parceiro. Recomendo um tocar o corpo do outro com toques suaves e beijos para identificar os pontos erógenos, ter intimidade e contato físico. O casal precisa dialogar sobre sexo, onde um deve saber do outro seus desagrados e preferências, ouvir e modificar o comportamento que não está adequado para a sexualidade do casal. Fabiane Dell` Antônio - Fisioterapeuta Palestrante - Empresa Movimento Bureau - SP Consultora da Empresa HotFlowers – SP Articulista do Site Desejo Oculto Participação de textos sobre sexualidade em Revistas, Jornais e Sites de circulação Nacional. * Mestrado em Ciências da Saúde Humana – UnC / SC * Especialização em Neuropsicologia e Aprendizado – PUC / PR * Especialização em Fisioterapia em Uroginecologia – CBES / PR * Especialização em Sexualidade Humana – USP / SP
Frigidez é quando a mulher sente pouco ou nenhum interesse e desejo por sexo, sendo que muitas vezes elas apresentam grande dificuldade em atingir o orgasmo. Geralmente o contato físico lhe é desagradável, apresentam dificuldade de entregar-se na intimidade, e quando precisam participar de relação sexual preferem que termine logo. Porque ocorre? Suas atitudes negativas em relação ao sexo são decorrentes de fatores emocionais e físicos frustrantes e com sofrimento vivenciadas na infância, adolescência ou idade adulta. Muitas vezes ocorre na idade adulta quando iniciaram a prática sexual sem prazer, e sim com desconforto. Estas mulheres não experimentaram práticas sexuais prazerosas, geralmente são mal estimuladas pelos parceiros e não conhecem o seu corpo, anulam-se sexualmente. Apresentam dificuldade de sentirem desejo sexual, excitação e lubrificação, com ausência de orgasmo durante a atividade sexual. Atitudes para melhorar a vontade de fazer sexo: 1- É importante a mulher querer mudar sua vida sexual e sexualidade, isso implica em mudanças de pensamentos e atitudes em relação a sua sexualidade e sexo. 2- Deve descobrir o motivo de ter dificuldade em relação ao sexo e buscar meios de melhorar o que atrapalha sua vida sexual. Alguns motivos são a dor na penetração, não sentir prazer, sentimento inadequado pelo parceiro, vergonha do seu corpo, seus pensamentos e educação sobre o sexo, comportamento do parceiro durante a intimidade, falta de estimulação adequada durante as preliminares, e outros. 3- A mulher deve evitar fazer sexo com desconforto ou dor na penetração ou após. 4- A mulher precisa iniciar o autoconhecimento de sua região íntima. Tocar-se para aprender como é seu corpo e como sentir prazer sozinha. Após este conhecimento poderá orientar seu parceiro para realizar estímulos de acordo com seu agrado e evitar o que lhe causa desconforto. 5- O diálogo sobre a vida sexual do casal, agrados e desagrados de cada um. Deste modo evita-se estímulos inadequados e inicia-se atitudes que facilitam o desejo e excitação. Dica: a mulher precisa olhar através de um espelho para sua vulva e região do períneo. Com um lubrificante íntimo (Intense loob) deve tocar a região e descobrir onde está seu clitóris e ponto G (área localizada dentro da vagina, com profundidade de uns 2-4 cm da parede anterior), massageando estas regiões para aumentar o conhecimento, a percepção local e iniciar estímulos prazerosos. Fabiane Dell` Antônio - Fisioterapeuta Palestrante - Empresa Movimento Bureau - SP Consultora da Empresa HotFlowers – SP Articulista do Site Desejo Oculto Participação de textos sobre sexualidade em Revistas, Jornais e Sites de circulação Nacional. * Mestrado em Ciências da Saúde Humana – UnC / SC * Especialização em Neuropsicologia e Aprendizado – PUC / PR * Especialização em Fisioterapia em Uroginecologia – CBES / PR * Especialização em Sexualidade Humana – USP / SP
A sexualidade é o modo como a pessoa manifesta seu comportamento para consigo e com os outros. Quando um homem é muito ansioso e agitado terá dificuldade em concentrar-se na atividade sexual e na sua parceira, com ineficiência de sua atuação nas preliminares, assim como sua ansiedade pode interferir de forma negativa na sua ejaculação e ereção. Durante sua vida o homem passa por problemas emocionais e físicos, e estes interferem na sua sexualidade, de forma transitória ou permanente. O importante é que em momentos difíceis como de saúde, problemas no relacionamento e trabalho, onde estes favorecem disfunções sexuais, ele consiga compreender que são fases da vida e que todas as pessoas apresentam dificuldades sexuais em algum momento, homens e mulheres. O que é disfunção de ereção? A disfunção de Ereção é incapacidade de obter e/ou manter ereção adequada até a conclusão da atividade sexual. Pesquisas indicam que a incidência nos homens brasileiros acima de 40 anos é de 45%, sendo que apenas 12% buscam ajuda de profissionais da saúde. Ela pode ocorrer devido alguns fatores, como doenças, alterações hormonais, pressão alta, níveis elevados de colesterol e triglicerídeos, tabagismo, álcool e alguns medicamentos. Os fatores emocionais que mais prejudicam a ereção são a depressão, ansiedade, estresse, personalidade insegura, experiências sexuais traumáticas, dificuldades no relacionamento, eventos negativos ao longo da vida, conflitos de identidade e de orientação sexual, baixa autoestima e insatisfação com a autoimagem. O que é ejaculação precoce? É uma ausência no controle ejaculatório, com estímulo sexual mínimo antes, durante ou logo após a penetração, antes do que o indivíduo o deseje. Ocorre em 20 a 30% dos homens brasileiros. Há dois tipos de ejaculador precoce: o primário, que apresenta a disfunção desde o início da vida sexual, e o secundário ocorre depois de ter tido relações satisfatórias por alguns anos. Como melhorar a sexualidade masculina? Há várias atitudes que o homem pode fazer para melhorar sua sexualidade, algumas destas são: 1- O homem deve verificar a causa do problema e tentar eliminá-lo, seja emocional ou físico; 2- Ter diálogo com a parceira sobre sua dificuldade e para contribuir na melhora da prática sexual entre o casal; 3- Buscar ajuda de profissionais da saúde relacionados com o problema; 4- Mudar sua atitude e comportamento durante suas práticas sexuais, como ter maior conhecimento sobre sexo e sexualidade, e inserir produtos de sex shop que auxiliam na sua estimulação e da parceira. Importante: a melhora da prática sexual auxilia nos problemas emocionais e físicos, contribuindo na auto estima, desejo, excitação e orgasmo. Fabiane Dell` Antônio - Fisioterapeuta Palestrante - Empresa Movimento Bureau - SP Consultora da Empresa HotFlowers – SP Articulista do Site Desejo Oculto Participação de textos sobre sexualidade em Revistas, Jornais e Sites de circulação Nacional. * Mestrado em Ciências da Saúde Humana – UnC / SC * Especialização em Neuropsicologia e Aprendizado – PUC / PR * Especialização em Fisioterapia em Uroginecologia – CBES / PR * Especialização em Sexualidade Humana – USP / SP
O sexo anal é uma prática sexual realizada com a penetração do pênis no ânus. Para os adeptos desta prática é importante saber que estes músculos e estruturas podem enfraquecer com a idade e com a prática sexual como ocorre com a vagina. Sendo que as estruturas anatômicas que contribuem para a continência e defecação são o reto, o canal anal, os músculos do assoalho pélvico, os esfíncter interno e externo, a mucosa do canal anal e os nervos. Para facilitar o orgasmo no sexo anal é preciso ter uma musculatura local saudável, assim haverá músculos com boa elasticidade e maior sensibilidade local, permitindo o prazer com a estimulação local e prevenção de lesões locais. Recomendações para esta prática 1- Não realizar nenhuma higiene interna, apenas externa. Esta deve ser realizada antes e após o sexo anal. 2- Para iniciar esta prática recomenda-se o estímulo com dedo, língua ou vibrador no ânus, esta é indicada para relaxar o esfíncter e prepará-lo para a penetração peniana. Na penetração usar lubrificantes íntimos, anestésicos na entrada do ânus com uns 5 a 10 minutos de antecedência à penetração (para iniciantes) e realizar penetração com camisinha. 3- Evitar a prática do sexo anal quando houver qualquer alteração ou disfunção que cause dor na região anal, como hemorróidas, fissuras, prisão de ventre, fraturas ósseas na região de cóccix e sacro. E quando a pessoa não quer. 4- Para amenizar a tensão de uma primeira experiência recomenda-se estimular o clitóris antes ou durante a penetração anal com o dedo ou vibrador. Isto porque ao estimular o clitóris a mulher sentirá sensações agradáveis e irá desfocar a penetração anal. Após o orgasmo com estimulação no clitóris a mulher irá ter um relaxamento muscular da região anal e favorecerá a penetração no local. 5- Deve-se usar muito lubrificante à base de óleos naturais e vegetais indicados para esta região corporal. Este uso é importante porque a região não apresenta capacidade de acomodação do pênis como ocorre com a vagina. Importante saber sobre esta prática 1- Pode contrair doenças durante o sexo anal, por isso deve-se usar camisinha. 2- Deve haver fortalecimento muscular nos MAP previamente ao sexo anal, principalmente quando a mulher faz esta prática frequentemente. Visto que variações no tamanho do pênis e fatores genéticos podem favorecer uma flacidez destes músculos igual ao que ocorre nos músculos vaginais. O sexo anal diário pode apresentar riscos à saúde se houver tensão muscular local e lesões na mucosa e músculos frequentes. Os músculos da região anal se recuperam de acordo com sua elasticidade e saúde local. 3- Para a prática do sexo anal é recomendado usar sempre lubrificantes adequados, que são fabricados a base de silicone, água e de óleos naturais, como óleo de coco. 4- Não ter penetração vaginal após o sexo anal sem camisinha. Se usar camisinha para o sexo anal deve-se trocar e colocar uma nova camisinha para a penetração vaginal. 7- A prática de beijos (beijo grego) na região deve ser realizada somente se não houver lesão na mucosa anal e na boca, assim evita-se transmissão de doenças. Fabiane Dell` Antônio - Fisioterapeuta Palestrante - Empresa Movimento Bureau - SP Consultora da Empresa HotFlowers – SP Participação de textos sobre sexualidade em Revistas e Sites de circulação Nacional. * Mestrado em Ciências da Saúde Humana – UnC / SC * Especialização em Neuropsicologia e Aprendizado – PUC / PR * Especialização em Fisioterapia em Uroginecologia – CBES / PR * Especialização em Sexualidade Humana – USP / SP
O sexo vaginal é a atividade sexual mais frequente realizada mundialmente, inclusive pelos brasileiros. É quando ocorre introdução do pênis na vagina para proporcionar o prazer, mas é nesta prática que a mulher tem maior dificuldade em sentir o orgasmo. Pesquisas revelam que apenas 30% das mulheres brasileiras sentem orgasmo vaginal com frequência. A vagina tem aproximadamente 8 a 10 cm de comprimento, e quando excitada distende-se para o acoplamento do pênis. Sua circunferência varia de acordo com a genética, estrutura corporal e com o estado de saúde muscular. O orgasmo vaginal será facilmente sentido pela mulher se houver estimulação pelo pênis na região vaginal conhecida como a região do ponto G, e se esta região estiver com a circulação e inervação saudáveis. Para alcançar o orgasmo vaginal é indicado algumas atitude, pelas mulheres: 1- Conhecer o próprio corpo, pois assim saberá induzir o parceiro ao estímulo correto e como lhe agrada; 2- Ter uma musculatura íntima saudável, pois os músculos do assoalho pélvico formam a base do clitóris e região do ponto G. Se os músculos estiverem saudáveis haverá melhor circulação e inervação local e o orgasmo será mais intenso; 3- O pênis deve estimular a região popularmente conhecida como Ponto G (região com muita inervação, localizada na parede anterior da vagina e com profundidade entre 2 a 4cm); 4- A região do Ponto G deve ser conhecida pela mulher e deve ser estimulada previamente para aumentar a sensibilidade local, isto pode ser realizado com dedo, geis ou vibrador. 5- Encontrar uma posição sexual que favoreça a fricção do pênis no ponto G durante o ato sexual de penetração; 6- Estar bem emocionalmente e fisicamente, e sempre deve estar lubrificada; 7- Dialogar com o companheiro. É importante que a mulher diga ao companheiro suas preferências e desagrados, e jamais fingir prazer quando não o teve. Atitudes pelos homens: 1- Manter o relacionamento com respeito e não induzir a mulher a realizar relação sexual para seu agrado; 2- Excitar a mulher com toques e beijos antes da penetração, porque ela precisa estar excitada e lubrificada para facilitar o seu prazer no sexo vaginal; 3- Evite causar dor ou desconforto na mulher durante a intimidade; 4- Pratique o diálogo sobre sexo com a mulher e preste atenção nas reações corporais e emocionais dela durante a atividade sexual e após. Fabiane Dell` Antônio - Fisioterapeuta Palestrante - Empresa Movimento Bureau - SP Consultora da Empresa HotFlowers – SP Participação de textos sobre sexualidade em Revistas e Sites de circulação Nacional. * Mestrado em Ciências da Saúde Humana – UnC / SC * Especialização em Neuropsicologia e Aprendizado – PUC / PR * Especialização em Fisioterapia em Uroginecologia – CBES / PR * Especialização em Sexualidade Humana – USP / SP
Tire suas Dúvidas com a
FABIANE DELL`ANTÔNIO

Graduada em Fisioterapia, com Mestrado em Ciências da Saúde Humana (UnC-SC) e nas seguintes Especializações:

Neuropsicologia e Aprendizado (PUC-PR);

Fisioterapia em Uroginecologia (CBES-PR);

Sexualidade Humana (USP-SP).

Professora Universitária desde 1999. Atua em consultório na área de Sexologia desde 2002. Realiza Cursos e Palestras em Sexualidade Humana desde 2010.

ENVIAR DÚVIDA

COMPRE AQUI FALE CONOSCO