Hot Flowers
side-area-logo

DICAS SOBRE SEXO

Tire todas as suas dúvidas sobre a sua sexualidade
Dicas sobre Sexo

A mulher pode sofrer alterações em sua sexualidade desde a gestação devido as alterações hormonais, físicas, emocionais e culturais, com possíveis consequências negativas na vida íntima do casal durante a gestação, puerpério e se prolongar por anos após o nascimento do filho.

A gestação é um dos períodos marcantes na vida da mulher, sendo assim há necessidade de conhecimento e atitudes que beneficiam esta fase na vida sexual da mulher.

 

Após o nascimento do filho o processo de amamentação pode alterar o desejo sexual devido as alterações hormonais que ocorrem no corpo e para a produção do leite materno, juntamente com a mudança física, cansaço, mudança na vida familiar e pessoal. São tantas as mudanças que é muito comum ela não pensar em sexo durante o período de quarentena. São 40 dias pós-parto que a mulher deve esperar para retornar a vida sexual, indicado pelos médicos ginecologistas para aguardar o retorno fisiológico e a recuperação da região uterina e músculos do assoalho pélvico (região do períneo).

 

Para o retorno à vida sexual após o nascimento do filho a mulher precisa estar bem emocionalmente e fisicamente, assim sentirá prazer e satisfação com desejo sexual normalizado e os benefícios do sexo saudável e feliz.

 

 

Atitudes para o retorno à vida sexual após o nascimento do filho

 

A mulher deve preparar-se emocionalmente e fisicamente para o retorno à vida sexual, e isto requer diálogo e participação do parceiro (a).

O ideal é que ela utilize o Massageador Terapêutico Peridell, inicialmente com uso externo na vulva e após  com o uso internamente no canal vaginal, assim que o médico permitir e com indicação do Fisioterapeuta. Deste modo estará preparando a musculatura e tecidos locais para a penetração, com melhora no relaxamento local, circulação e inervação, melhora da força e sensibilidade local, com analgesia e recuperação da cicatriz da episiotomia e possíveis lesões locais decorrentes do parto vaginal. Caso tenha ocorrido o parto cesárea também é indicado seu uso, afinal houve por meses sobrecarga e alterações corporais que podem comprometer os músculos íntimos.

No momento da intimidade o casal deve realizar preliminares com muitos estímulos prazerosos para proporcionar excitação e lubrificação vaginal, assim irá relaxar os músculos vaginais e facilitar as fricções locais e o prazer. Se precisar a mulher deve usar um lubrificante íntimo específico para a vagina para facilitar a penetração e evitar desconforto do retorno à vida sexual após o nascimento do filho, como o Intense Loob da Hotflowers.

Na vida sexual do casal é necessário o equilíbrio entre a vontade e a frequência desejada para ambas as partes, sem comprometimento da sexualidade de um para agradar o outro. Fazer sexo sem vontade para agradar o outro com frequência pode fazer mal à saúde levando ao desenvolvimento de doenças psicossomáticas como estresse, depressão, síndrome do pânico e outras.

A mulher deve cuidar da sua saúde sexual respeitando seu corpo e sua vontade, evitar fazer sexo com desconforto ou dor, preocupada com os filhos, cansada e com sono.

O principal hábito que o casal pratica e que melhora muito a saúde sexual e prazer da mulher é fazer sexo com calma, com muitos estímulos prazerosos, descansados e relaxados para ter adequado envolvimento físico e emocional de ambos.

 

Produtos sensuais que ajudam na saúde sexual da mãe

A Hotflowers lançou a linha SAÚDE E PRAZER, o bem estar sexual. Nesta contém produtos que contribuem para a saúde sexual das mulheres que são mães e querem ter sexualidade saudável. Alguns ela pode usar sozinha e outros precisam da indicação de Fisioterapeutas e profissionais especializados em Sexologia.

1-   Lubrificante íntimo 100% de silicone Intense Loob;

2-   Massageador Terapêutico Peridell;

3-   Cones vaginais (pompoarismo);

4-   Bolinhas de Ben Wa (pompoarismo);

5-   Bomba clitoriana;

6-   Sabonete íntimo;

7-   Óleo para massagem sensual;

8-   Excitante feminino Orgástico.

Após o nascimento de um filho o casal pode precisar mudar os hábitos sexuais e os estímulos para proporcionar melhora na participação e prazer da mulher.


A ciência comprova que ter saúde emocional e física favorece a satisfação na vida sexual de homens e mulheres. Isto ocorre porque de todos os prazeres que a pessoa tem na vida o sexo representa mais de 90%, e para ter prazer no sexo são necessário 50% de envolvimento físico e 50% do emocional.

Sentir prazer e satisfação sexual é ter uma vida sexual adequada, com momentos de alegria e prazer, sem dor ou desconforto físico e problemas emocionais decorrentes do sexo. Deste modo as práticas sexuais liberam hormônios que favorecem a felicidade, autoestima, memória, longevidade, criatividade, rendimento intelectual e aumento das percepções corporais, ou seja, saúde.

Os principais fatores que prejudicam a saúde sexual são problemas emocionais, de relacionamento e físicos. No caso dos problemas físicos ocorrem alterações nas estruturas dos músculos do assoalho pélvico, região do períneo, que comprometem a circulação, inervação e força muscular. Quando estes estão alterados haverá menor sensação prazerosa durante as práticas sexuais e algumas vezes possíveis disfunções sexuais e problemas de saúde local.

 

Os benefícios do sexo saudável

O sexo regular e realizado de forma saudável faz muito bem às nossas vidas. Segundo pesquisadores os benefícios são os seguintes:

Ø  Durante o orgasmo o corpo libera endorfina, o que causa euforia, prazer, felicidade e humor, aumentando a tolerância à dor e sensação de bem estar;

Ø  A atividade sexual regular está associada a níveis elevados do anticorpo imunoglobulina A, o que pode proteger de resfriados comuns;

Ø  O orgasmo libera vários hormônios, entre eles a ocitocina que reduz a ansiedade, depressão e previne o câncer de mama;

Ø  A atividade sexual com preliminares de qualidade queima muitas calorias, em média de 3 a 10 por minuto;

Ø  Após o orgasmo o corpo e mente relaxam instantaneamente, favorecem a melhora da qualidade do sono;

Ø  O hormônio DHEA liberado durante o sexo repara os tecidos e previne o envelhecimento da pele;

Ø  Há um aumento de adrenalina e circulação do sangue, com transporte de mais oxigênio para o cérebro, irrigando a região responsável pela memória e aprendizagem. Há também um favorecimento da capacidade do sistema imunológico, melhorando dores musculares, revitalizando células, músculos e pele;

Ø  O sexo frequente estimula a produção de testosterona, hormônio que atua no desejo e desempenho sexual, além de proteger coração e ossos;

Ø  O sexo saudável aumenta a autoestima e favorece a longevidade, criatividade, memória, rendimento intelectual e aumento das percepções corporais.

 

Na vida sexual do casal é necessário o equilíbrio entre a vontade e a frequência desejada para ambas as partes, sem comprometimento da sexualidade de um para agradar o outro. Estudiosos afirmam que deixar de fazer sexo e reprimir seus desejos constantemente, assim como fazer sexo sem vontade para agradar o outro com frequência, pode fazer mal à saúde levando ao desenvolvimento de doenças psicossomáticas como estresse, depressão, síndrome do pânico e outras.

O principal hábito que o casal pratica e que prejudica muito a saúde sexual e prazer é fazer sexo de modo “rapidinho” com frequência, sem realizar preliminares.

 

Produtos sensuais

A Hotflowers lançou a linha A SAÚDE DO SEU PRAZER, nesta contém produtos que contribuem para a saúde sexual de homens e mulheres em qualquer idade. Além destes a Empresa oferece inúmeros produtos que estimulam o prazer e a felicidade do casal.

A realização das preliminares contribui para a adequada excitação e lubrificação de ambos, facilita o prazer e orgasmo. Permite o conhecimento de si e do outro, aumento da intimidade entre o casal, desejo sexual e melhora da saúde geral.

Por trás do estereótipo mulher recatada e do lar que faz sexo apenas com uma pessoa, existe um novo formato de mulheres modernas que podem ser denominadas como mulheres independentes sexualmente, afinal, atualmente estar num relacionamento afetivo ou sexual é escolha, opção.
Percebe-se que as mulheres modernas podem ter vários parceiros sexuais, realizam suas fantasias sem ter medo do pensamento do outro como, sexo anal, sexo grupal, swing, transam em lugares públicos, praticam o BDSM (bondage, disciplina, dominação e submissão), defendem seus direitos de igualdade no sexo, mas possuem um ponto fraco que ainda não foi resolvido por muitas, a necessidade de serem amadas e desejadas pelo outro. 

Para mostrarem sua independência, mulheres “sexualmente resolvidas” tendem a despertar uma incompatibilidade de prazer, pois, podem fingir orgasmos, transar sem vontade para agradar o outro (mesmo sentindo dor), trocar de parceiros ou realizar o ménage (sexo à três) sem possuir essa fantasia, ou seja, fazem de tudo por acreditarem que agindo assim serão amadas e não trocadas e descartadas.

Mas o curioso é que essa falsa liberdade sexual mascara a carência que sentem por problemas e afetos mal resolvidos desde a infância, por serem reprimidas por seus pais e sociedade na questão sexual, não foram estimuladas pela família a acreditar em si mesma e saber lidar com as emoções, ter autoestima, ser independente emocionalmente antes de tudo.
Hoje mulheres fazem sexo com vários homens no mês, na semana, e algumas até num mesmo dia. Seduzem, pedem por sexo, mas não conseguem pedir como querem o sexo, como gostam, como desejam que o outro as estimule, as tratem. 
Muitas acham que receber um homem em sua casa ou motel e fazer sexo significa liberdade sexual, independência... mas fazem tudo o que eles querem, aceitam receber migalhas por um gozo, e quando o homem some ou as trai choram desesperadas sentindo-se as azaradas em questão de encontrar a pessoa certa.
Mas, e o amor próprio? Este está presente quando simplesmente faz sexo?
Mulheres, sexo por sexo não supre suas carências afetivas e emocionais, aliás, ele pode agravar sua situação emocional. Já o amor, cumplicidade, respeito, autoestima podem fazer de você uma nova mulher capaz de fazer as escolhas certas porque sempre escolherá você antes de tudo, antes de qualquer pessoa.
Que neste mês das mulheres nós possamos conseguir dizer mais não, falar como gostamos e queremos no sexo, não fingir prazer e orgasmo quando não o temos, e principalmente... amar a nós mesmas!
Realizem preliminares e práticas sexuais com prazer e vontade, só assim teremos relacionamentos afetivos e sexuais felizes, completos e saudáveis.

O corrimento vaginal e o mau cheiro são uma das preocupações mais frequentes entre as mulheres, principalmente nas que estão em idade reprodutiva e realizam práticas sexuais.

A secreção vaginal é uma resposta fisiológica do organismo feminino. Quando não existe processo patológico envolvido a secreção vaginal apresenta-se de cor clara ou branca, sendo composta de líquidos cervicais, pode variar na quantidade e  aspecto, dependendo do período do ciclo menstrual. No entanto, quando algum processo infeccioso ou inflamatório encontra-se presente, as características da secreção modificam-se, caracterizando o corrimento vaginal com alterações no cheiro.

Infecções e inflamações na vagina podem resultar de coceira, ardência, desconforto ou dor durante a penetração vaginal e corrimento. Nestes casos a mulher precisa buscar ajuda com o médico ginecologista para tratamento. As infecções podem ser causadas por fungos e bactérias.

 

Causas do corrimento vaginal.

Existem alguns motivos para a mulher apresentar mau cheiro vaginal e corrimento local, as mais comuns são:

1-   Infecções sexualmente transmitidas, a mais comum é a Clamídia. Tem-se a Gonorréia, Tricomoníase e Herpes simples.  Outras infecções como a candidíase vulvovaginal e vaginose bacteriana.

2-   Vaginite atrófica é uma alteração comum na menopausa onde se caracteriza por mudanças nas estruturas da vagina, onde as paredes vaginais tornam-se mais finas, mais secas e menos elásticas, há mudanças no pH vaginal tornando-se suscetível a infecções e inflamações locais. Outros sintomas são secura, ardência e dor na penetração.

3-   A gravidez, ocorre devido as alterações hormonais podem ocorrer alterações no pH vaginal e desenvolver infecções e inflamações locais.

4-   Iatrogenia pode provocar mau cheiro, esta surge devido as alterações nas estruturas locais em decorrência ao efeitos colaterais dos medicamentos usados no canal vaginal.

5-   Doenças e condições dermatológicas locais (ex: câncer na região e fissuras no canal vaginal);

6-   A Obesidade pode desenvolver alterações hormonais que modificam as estruturas locais e favorecem as infecções na região, assim como a dificuldade na higiene íntima nas dobras existentes na região da pelve.

7-   Excesso de limpeza pode alterar o pH vaginal, remover a proteção local e desidratar a pele e a mucosa vaginal.

Além das causas citadas acima o mau cheiro pode ocorrer em decorrência as doenças sexualmente transmissíveis e objetos esquecidos no canal vaginal, como absorvente íntimo e camisinha.

 

Atitudes que previnem e tratam o mau cheiro

Primeiramente a mulher deve realizar uma consulta com o médico ginecologista para diagnosticar possíveis patologias.

Algumas atitudes previnem e contribuem no tratamento do mau cheiro, como:

1-    Evitar roupas muito apertadas e justas, pois dificultam a circulação do ar no local e predispõe ao acúmulo de fungos e bactérias que podem favorecer infecções e odor ruim;

2-    Usar calcinhas de algodão;

3-    Usar camisinha quando o casal tem frequência alta nas práticas sexuais;

4-    Não permanecer tempo com calcinha ou biquíni molhados;

5-    Usar papel higiênico sem cheiro e cor;

6-    Usar lenços umedecidos sem álcool, mas evitar excessos;

7-    Evitar usar amaciantes e excessos de sabão em pó nas calcinhas e biquínis;

8-    Evitar depilação total dos pelos na região púbica, eles protegem a entrada vaginal;

9-    Dormir sem calcinha;

10- Usar sabonete íntimo que preserve o pH vaginal na região externa, evite excessos.

 

Consequências na sexualidade do casal

Pesquisa realizada em 2015 no Estado de São Paulo pela empesa Sex Wipes com mais de 1.200 homens com idade entre 18 a 30 anos revelou que 43% deles não realizam sexo oral nas parceiras, destes 35% dizem que não gostam de fazer porque sentem nojo da aparência, do cheiro e da umidade da vulva. Já 78% dos entrevistados relatam que recebem da parceira sexo oral.

Esta pesquisa relata o quanto as mulheres costumam ser mal estimuladas pelos seus parceiros durante as preliminares, dificultando o prazer e orgasmo delas durante as práticas sexuais. Quando a mulher sente pouco prazer e orgasmo terá alterações no desejo e na sexualidade, com o tempo haverá afastamento íntimo do casal.

 

O sexo oral é o grande facilitador do orgasmo para as mulheres. Elas precisam cuidar da sua saúde sexual e da autoestima, não fazer sexo com desconforto ou por obrigação em agradar o parceiro. Devem ter atitudes que reforçam a necessidade do homem estimulá-las adequadamente.

 

Mulher satisfeita sexualmente terá mais desejo, melhor desenvoltura no sexo e sexualidade saudável e feliz. Consequentemente o casal terá mais momentos de intimidade e melhora da vida sexual e sexualidade.

 


O sexo oral  é uma prática sexual pouco praticada pelos brasileiros, é realizada com a boca e língua no clitóris, pênis e ânus. Esta prática é a que mais favorece o orgasmo feminino, mas desde que a mulher aceite e sinta-se bem emocionalmente e fisicamente ao ser estimulado nesta região.

Algumas pessoas não gostam de fazer e de receber, sentem nojo ou desconhecem a importância destes estímulos para a excitação e prazer, principalmente no clitóris da mulher.

O clitóris é um órgão sexual externo, embora esteja localizado no interior da vulva e possui mais ou menos 10 centímetros de comprimento, mas apenas a sua ponta fica exposta. Ele é formado por tecido erétil que incha e se enche de sangue, tornando-se rígido, e aumenta de tamanho quando excitado através do toque. 

Atualmente pesquisadores relatam que todo o orgasmo da mulher, mesmo com penetração vaginal do pênis, vem pelo estímulo no clitóris.

Para facilitar o orgasmo é necessário que esta região esteja saudável na inervação e circulação, deste modo aumentará a sensibilidade  local e facilitará o orgasmo. Isto porque o corpo do clitóris é formado por músculos que compõem o assoalho pélvico, que são os músculos bulbocavernoso e o isquiocavernoso, este último cobre e insere-se nele e mantém sua ereção durante a excitação feminina. Então se estes músculos estão saudáveis o clitóris estará mais sensível e haverá aumento na intensidade do prazer com estímulos locais.

O clitóris tem tamanho diferente de mulher para mulher, e quando ele está atrofiado, ou seja diminuído e encurtado, ele dificulta ou reduz a intensidade do orgasmo. Nestes casos é muito indicado o estímulo prévio para melhorar a circulação e inervação local com o objetivo de facilitar o orgasmo com o companheiro (a).

Mulheres com alterações hormonais apresentam grandes chances de ter o clitóris atrofiado.

 

 

Toda mulher tem a capacidade de ter orgasmo quando estimulada corretamente no clitóris.

 

Como facilitar a obtenção do orgasmo através do clitóris?

 

Para alcançar o orgasmo é necessário algumas atitudes pelas mulheres, como:

1- Conhecer o próprio corpo e sentir prazer sozinha ao tocá-lo, pois assim saberá induzir o parceiro ao estímulo correto e como lhe agrada;

2- Precisa estimular a região com exercícios, vibradores, bombas de sucção, geis que mudam a temperatura e massagem com os dedos para melhorar a sensibilidade local, assim o orgasmo com o parceiro será facilitado e intensificado;

3- Ter uma musculatura íntima saudável, pois os músculos do assoalho pélvico formam a base deste. Se os músculos estiverem saudáveis haverá melhor circulação e inervação local;

4- Estar bem emocionalmente, envolvida com a prática sexual e excitada;

5- Dialogar com o parceiro (a). É importante que a mulher conte suas preferências e desagrados, e jamais fingir orgasmo quando não o teve.

                                              

Atitudes pelos homens:

1-  Manter o relacionamento com respeito e não “induzir” a mulher a realizar relação sexual para seu agrado;

2-  Aprender aonde está o clitóris e como a mulher gosta de ser tocada;

3-  A mulher deve estar excitada antes de ter penetração, por isso é importante estimular de modo prazeroso o clitóris durante as preliminares;

4-  Evite causar dor ou desconforto na mulher durante a intimidade;

5-  Converse sobre sexo com a mulher.

Para facilitar e proporcionar um sexo oral gostoso e prazerosos a HotFlowers disponibiliza produtos aromatizados que resfriam ou esquentam, são geis e lubrificantes que contribuem no prazer delas neste momento.

Climatério é o período de transição das mulheres da fase reprodutiva para a fase não reprodutiva, com irregularidade no fluxo menstrual. Já a menopausa é considerada o período onde há a ausência de menstruação por um período maior de um ano devido a perda da função ovariana. A idade média da mulher entrar na menopausa está entre 40 a 58 anos.
Pesquisas relatam que 63% dos homens e 30% das mulheres com idade entre 80 e 102 realizam práticas sexuais como toques mútuos, carícias pelo corpo todo e a penetração.

Algumas mulheres iniciam novos relacionamentos a partir da fase da menopausa e sentem dificuldade e desconforto na penetração vaginal devido ao tempo prolongado sem realizar práticas sexuais. Algumas nunca vivenciaram práticas sexuais prazerosas com seus ex-parceiros, deste modo precisam aprender a realizar sexo com diferentes estímulos, atitudes, sensações e prazeres.

Mudanças físicas

Tudo que não se usa no corpo humano se atrofia, é verdade! Mas os músculos vaginais quando tratados podem melhorar suas estruturas internas e proporcionar prazer e retorno à vida sexual.

As queixas sexuais das mulheres que estão na melhor idade podem ser devido à interação de vários fatores, como os físicos, emocionais, sociais e relativos ao parceiro. 
A atrofia vulvovaginal é causada pela deficiência de estrogênio e ocasiona um afinamento do epitélio vaginal, onde pode provocar sangramento e desconforto no sexo. Além desta pode haver perda de elasticidade, aumento do PH vaginal, redução da lubrificação, alterações na sensibilidade genital, ressecamento vaginal, coceira e dor na penetração são relatados por em média 30 a 50% das mulheres na menopausa.

Estas mudanças físicas podem variar de mulher para mulher, isto ocorre porque aspectos individuais estão envolvidos no processo, como a sexualidade da mulher e do casal na idade adulta, hábitos alimentares, miccionais e defecatórios, autoconhecimento sexual, realização de exercícios físicos na idade adulta e na melhor idade, e condição de saúde dos músculos do assoalho pélvico, os músculos vaginais.

Atitudes que ajudam o retorno às práticas sexuais

A mulher após a menopausa poderá manter normalizado o seu estado sexual e sexualidade. Isso ocorre desde que estava bem resolvida neste sentido durante a vida adulta, pois continuará a produzir os hormônios sexuais que favorecem o prazer. 
Em casais com idade avançada e onde há um dos conjugues com problemas de saúde, a atividade sexual deve abranger beijos, abraços e toques íntimos que promovem prazer para ambos, sem focar na penetração vaginal.

Para o retorno satisfatório à vida sexual é importante a mulher ter algumas atitudes, como:
1- Usar preservativo nas práticas sexuais para prevenir doenças transmissíveis;
2- Fortalecer os músculos vaginais (músculos do assoalho pélvico) com um fisioterapeuta especializado na área Pélvica e tratamento com Psicólogo especializado quando necessário;
3- Consultar com frequência o Médico Ginecologista;
4- Usar o Massageador Terapêutico Peridell para manter os músculos saudáveis e facilitar a penetração e prazer;
5- Usar produtos sensuais para melhorar os estímulos prazerosos durante as práticas das preliminares, melhorar a percepção corporal, excitação e lubrificação.

Produtos que contribuem no retorno sexual

Muitos produtos sensuais contribuem para a saúde local e prazer, como:

1- Usar lubrificante íntimo Melhor Intensidade quando há ressecamento, para auxiliar na penetração e alívio do desconforto;
2- Passar no clitóris o Intimidade Feminina como excitante e estimulante feminino;
3- Usar o Massageador Terapêutico Peridell para melhorar a atrofia, relaxamento, lubrificação e força dos músculos vaginais, assim como tratar a dor e desconforto na penetração e proporcionar sensações prazerosas. Além destes promove o autoconhecimento e percepção local;
4- Pode realizar autotoque com o gel Toque de Seda para facilitar o deslizamento dos dedos na região do clitóris e vulva;
5- Usar na região de clitóris géis que vibram como o Alta Tensão, estes contribuem na percepção, excitação e sensações prazerosas;
6- Usar na região da vulva e clitóris géis que esquentam e resfriam como Aromatizantes Hot e Ice, estes contribuem na melhora da percepção local, excitação e sensações prazerosas;
7- Cuidar da região íntima com o Sabonete Íntimo para manter o PH natural;
8- Cuidar do corpo com a Loção Hidratante Afrodisíaca da linha Sex Sens;
9- Realizar e receber massagem íntima com o Óleo para Massagem neutro.

A Empresa HotFlowers desenvolveu a linha A MELHOR IDADE que consta dos seguintes produtos: estimulador para ereção, excitante e lubrificante feminino. Estes foram desenvolvidos para melhorar a vida sexual das pessoas nesta faixa etária com produtos para elas e eles desfrutarem a vida sexual com prazer e satisfação. Experimentem!

Tire suas Dúvidas com a
FABIANE DELL`ANTÔNIO

Graduada em Fisioterapia, com Mestrado em Ciências da Saúde Humana (UnC-SC) e nas seguintes Especializações:

Neuropsicologia e Aprendizado (PUC-PR);

Fisioterapia em Uroginecologia (CBES-PR);

Sexualidade Humana (USP-SP).

Professora Universitária desde 1999. Atua em consultório na área de Sexologia desde 2002. Realiza Cursos e Palestras em Sexualidade Humana desde 2010.

ENVIAR DÚVIDA

COMPRE AQUI FALE CONOSCO